segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Boas impressões

Uma coisa com a qual não tenho muito jeito é lidar com aquelas pessoas que gostam de nos importunar com certas conversas só para divertimento próprio. Lembrei-me disto nem sei bem como, mas quando comecei a namorar com o meu ex-namorado, eu não conhecia a terra dele. 

Depois de um tempo de namoro, ele levou-me à terra dele para ficar a conhecer a casa dele e fiquei também a conhecer a mãe dele. Eu sou uma pessoa bastante envergonhada e para agravar ainda mais a situação, não sou muito boa em conversas para criar boas impressões, porque eu simplesmente digo aquilo que penso e pronto. O que pode ser bom ou então não!

A mãe dele veio toda simpática cumprimentar-me e tal e depois começa a meter aquele tipo de conversa para encher chouriços, coisa em que não sou mesmo nada boa. Se uma pessoa me diz que está calor eu digo "pois está" e se me diz que vai chover, eu digo "pois vai". E a conversa morre aí!

Então a conversa dela era qualquer coisa:

Ela: Então vieste visitar a terra? 
Eu: Sim!
Ela: Estás a gostar?
Eu: Estou!
Ela: Assim com o calorzinho até se torna mais agradável andar lá na rua do que dentro de casa.
Eu: Pois é!
Ela: Achas que isto é bonito?
Eu: Acho!
Ela: Mais bonito do que a tua terra?
Eu: Não!



Uma pessoa normal pára para pensar e tentar responder aquilo que as pessoas querem ouvir. Uma pessoa como eu responde um redondo NÃO sem pensar duas vezes. E respondi um redondo NÃO, porque não, a minha terra é a minha terra, obviamente que é mais bonita do que as outras todas. 

Fiquei super atrapalhada a ver na cara da mulher que aquela não era a resposta que queria ouvir. E mais um ponto para mim na super boa impressão que causei. ✋ Mas depois de pensar no assunto e depois de uns valentes anos se terem passado, a culpa não foi minha, a culpa foi da mulher, porque não estava no direito de me fazer aquele tipo de perguntas 😈 

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Cúmulo do exagero


Tenho um primito que acabou de fazer um ano e como tal, decidi ir comprar-lhe uma prendinha. Optei por um conjunto de camisola, calça e umas sapatilhas. Comprei a camisola e as calças na H&M super fofinhas a combinar uma com a outra. Só não comprei também lá o calçado, porque não gostei da combinação, então decidi ir comprar a outra loja. 

A passear pelo shopping, vi a Chicco e decidi ir espreitar o calçado. Perguntei à senhora onde encontrava as sapatilhas para um anito e ela lá me acompanhou toda simpática. Sinceramente, não vi assim grande coisa que me agradasse por aí além, mas vi umas sapatilhas azuis que adorei. Procurei pelo preço e não o encontrei. Perguntei à senhora e ela respondeu-me 59,99€.


Esse preço dei eu pelas minhas All Star que são sapatilhas que duram uma vida inteira. Recuso-me a dar esse dinheiro por umas sapatilhas que daqui a dois dias ou três deixam de servir ao cachopo. Sorrateiramente saí da loja e pus-me a milhas de distância. Entrei no continente e vi umas sapatilhas a imitar as All Star a 10€. Não procurei por mais nada e levei essas mesmas sapatilhas. É um absurdo de dinheiro 60€ por umas coisas numa idade onde os cachopos crescem da noite para o dia. 

Se ainda fosse para durar, como que, é caro mas duram, ainda se justificava, mas para não durar nem um mês é dinheiro deitado ao lixo. 

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Estou a ficar velha e nem sei


Aquele momento em que ainda me sinto uma adolescente crescida e me apercebo que maior parte dos meus colegas são mais novos do que eu e já têm família constituída.

Como entrei para a escola com 5 anos, estou acostumada a ser a mais novinha em todo o lado e para animar ainda mais a situação, sempre aparentei ser mais nova do que aquilo que realmente sou. 

Quando entrei para este novo trabalho, reparei que algumas pessoas me começaram a tratar como alguém que acabou de sair do secundário, o que achei perfeitamente normal, porque apesar de estar com quase 27 anos, ainda tenho uma carinha muito menina e estou acostumada às pessoas acharem que sou mais novinha. 

Primeiramente, conheci a minha equipa e achei uma equipa jovem mais ou menos toda à mesma idade. Realmente, as idades não fogem muito umas das outras, são todas da casa dos 20's, mas a pessoa que aparenta ser a mais novinha (eu), veio-se a saber que afinal é a mais velha de toda a equipa. Sim, eu sou mais velha do que a minha chefe de equipa. Por dias, é certo, mas chego a ser mais velha. O que me fez sentir, não velha, mas estranha. 

A minha equipa não leva uma vida muito diferente da minha, cada um com os seus namorados, mas ainda vivem com os pais e nem têm intenções de sair de casa dos pais para já. 

Depois, conheci o resto das equipas da loja e comecei a ver gente que está noiva, gente que casou recentemente, gente que teve filhos recentemente, gente que já vai para o segundo filho, gente que só fala nos preparativos do casamento, gente que já vive junto há mais anos do que aqueles que eu trabalho e por aí fora.

Quando vou a pesquisar a fundo sobre esta gente toda, venho a descobrir que sou a mais velha não só na minha equipa, como sou a mais velha nesta gente toda. Eu sou mais velha que gente que já é casada há anos e já leva uns dois filhos. Isso sim faz-me sentir velha, apesar de ainda me sentir uma adolescente com a mania que é adulta. 

A sério minha gente, eu ainda me sinto tão pequenina e esta gente já tem toda vida feita e eu ainda nem sei o que fazer com a minha. 

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Um chefe não serve só para mandar


Na minha opinião, um bom chefe, não só manda fazer, como também mostra que sabe fazer e faz sem qualquer problema. Já tive chefes espectaculares que se mostravam sempre prontos e sem qualquer medo do trabalho, sem nunca esquecer a liderança da equipa. Isso para mim é a definição de um bom chefe. 

Actualmente, tenho uma chefe que tem uma personalidade muito querida até. Acredito mesmo que a mulher seja muito boa pessoa, mas não gosto mesmo nada dela como chefe. As pessoas adoram fazer turnos com ela, porque ela é uma pessoa espectacular e quando tem de chamar alguém à atenção fá-lo num tom que não deixa uma pessoa piursa de ter acabado de levar nas orelhas.

Já eu detesto trabalhar com ela. É muito boa pessoa, sim senhor, mas não mexe o cú para fazer uma palha. Dá instruções a este, dá instruções àquele e toda a gente segue essas instruções, mas há vezes que essas instruções são de tal maneira estúpidas que eu só penso "Então mas se lá estás, porque não fazes tu?". 

Imaginem que alguém vai à casa de banho, faz as suas necessidades e acaba com o papel higiénico. Em vez de trocar o rolo que está numa gaveta mesmo ao lado da sanita, sai da casa de banho e vai chamar alguém para o ir fazer. Esse alguém que estava ocupado a passar a roupa a ferro, é obrigado a largar a sua tarefa para ir à casa de banho mudar o rolo. Obviamente que este não é um exemplo verídico, mas acho que dá para perceber o sentimento.