quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Férias precisam-se, please!

Não, desta vez não me estou a queixar do trabalho. Desta vez estou-me mesmo a queixar da quantidade de falsidade que existe à minha volta. Estou mesmo a precisar tirar férias das pessoas, mandar tudo à merda e desaparecer por uns tempos. Obviamente que levava o meu namorado comigo, mas de resto, eu espetava mesmo tudo num poço. Epá, fartinha desta merda toda!

Ainda me dizem que tenho que ser mais aberta com as pessoas. Foda-se, juízo tenho eu em não dar confiança a ninguém. Eu sou uma pessoa desconfiada por natureza, se calhar até demais, mas mantenho-me sempre dentro dos limites, ou seja, não faço que essa desconfiança chegue ao ponto de ser ridícula, mas depois as merdas acontecem e eu penso para mim "Vês como tinhas razão?". 

Podem tentar fechar-me os olhos à vontade e se essa é a vossa intenção, eu vou dizer que sim senhor, tenho os olhos fechados, mas vou ficar sempre a espreitar. Sou novinha, mas a vida já me ensinou muita coisa e se calhar é por causa disso que sou como sou. E sabendo como sou, sei que vou mandar duas ou três caralhadas para o ar, vou dizer o que tenho a dizer às pessoas certas, porque não gosto de ficar com coisas encravadas na garganta e depois posso ir à minha vida à vontade.

Até lá, vou andar com uma dor de garganta do caralho, mas não faz mal, porque disfarça-se bem com uma constipação à mistura. O que eu não gosto nesta situação é que até ir falar com as pessoas certas, vai haver muito momento errado para falar, portanto eu vou esperar pelo momento certo, o que vai fazer com que eu seja cínica nos momentos errados. Coisa que eu detesto! Vou ter que morder a língua até não aguentar mais, só tenho medo de explodir num momento em que não deva.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Ponto situação do meu belo local de trabalho

Estão a ver aquele sítio que detestei trabalhar e que agora voltei para lá outra vez? Como é que é suposto gostar daquilo? Eu não consigo! Um simples exemplo e acreditem que é mesmo dos mais simples, porque há muita coisa errada naquela loja, é estar hoje a trabalhar com mais 4 raparigas numa secção, volto a repetir, 4 raparigas, ou seja, éramos 5 raparigas naquela secção, arrumar até mais não e quando dou por mim, reparei que por muito que arrumasse, continuava tudo desarrumado. Pois, enquanto eu estava ali a dar o litro para ficar tudo arrumadinho, as minhas queridas colegas estavam as 4 num canto a conversar quase à gargalhada.

Epá, como é que é possível eu ter sequer algum tipo de respeito por aquele sítio? Ir ter com elas "socializar"? Eu pensei que estivesse no meu local de trabalho! Não consigo! Por muito que tente, aquele continua a ser o pior sítio onde trabalhei e não é por causa do trabalho, é por causa das pessoas parvas que aparecem a trabalhar comigo.

Acontece-me qualquer coisa insólita todos os dias. Todos os dias, eu tenho vontade de dar porrada em alguém e o pior é que é sempre com pessoas diferentes. Uma colega minha que entrou ao mesmo tempo que eu, diz e é verdade "O que eu vejo nesta loja, é que toda a gente manda e ninguém trabalha!" Não podia estar mais de acordo!

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Complicações que se passam à minha volta

Vou tentar explicar uma história que se passa aqui à minha volta, onde eu não tenho nada a ver com o assunto, mas tenho seguido a história de fora, com um olho lá dentro. E mesmo que não entendam nada, gostava de saber a vossa opinião mais sincera.

Ora, vamos cá ver se eu me consigo explicar de forma simples. Só quero dizer que isto não se tratam de relacionamentos amorosos, são só mesmo amizades (ou uma espécie disso).

Temos a pessoa Z. A pessoa Z ficou magoada com a pessoa A. A sua justificação é que não gostou da atitude da pessoa A

A pessoa Z, em vez de ir falar directamente com a pessoa A sobre o que a magoou, desabafou com a pessoa B. 

A pessoa B foi falar sobre esse desabafo à pessoa A e à pessoa C.

No meio disto tudo, temos uma pessoa D que foi contar às pessoas A,B e C, que a pessoa Z fez uma coisa, que na realidade não é verdade.

Instantaneamente, as pessoas A,B e C afastaram-se da pessoa Z

A pessoa Z começou-se a aperceber que as pessoas A, B e C cochichavam muito quando estavam ao pé dela.

Ao passar do tempo, a pessoa A começou a deixar essa chatice de lado e continuou a dar-se bem com a pessoa Z como sempre se deu. Enquanto que as pessoas B e C continuavam a virar a cara à pessoa Z

Notem que a chatice começou com as pessoas Z e A, no entanto, eram as pessoas B e C que continuavam a virar a cara à pessoa Z.

A pessoa Z chegou a um ponto que não aguentou mais e mandou mensagem para as pessoas A, B e C a perguntar se havia alguma coisa de errado.

A pessoa A (lembrem-se que foi com quem houve a chatice) mostrou-se defensiva, não negou que havia alguma coisa de errado, mas mostrou-se aberta à opção de falar sobre o assunto pessoalmente e resolver a situação.

As pessoas B e C mostraram-se completamente atacantes e acusaram a pessoa Z de falar mal nas costas dos seus amigos. Tirando a parte da pessoa Z ter desabafado sobre os seus sentimentos a uma pessoa "amiga", a pessoa Z não faz a mais pequena ideia sobre o que pode ter "falado mal" nas costas dos amigos. 

Eu tenho seguido esta história de perto e eu sei que estou aqui a dar o "papel principal" à pessoa Z, mas eu acho que há aqui um ponto crucial que ninguém se lembra: A pessoa D. A pessoa D é uma amiga minha sobre a qual eu já falei por aqui e aqui

A pessoa D disse às pessoas A, B e C que a pessoa Z fez algo quando na verdade não o fez. Agora porquê? Porque pensou que realmente a pessoa Z o tinha feito, mas a pensar morreu um burro e por isso mesmo acho que o problema está na pessoa D e não no resto. 

Porque a pessoa Z chega a entender as razões da pessoa A, mas não consegue entender as pessoas B e C, o que me leva a querer que a pessoa D não se ficou por ali na história que contou.

E agora estou à espera dos novos episódios.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Passagem de ano #2


Eu sou daquelas pessoas que gosta de uma bela duma festa em grande, em casa com os amigos. Este ano eles estão a ponderar ir sair, mas eu estou mesmo a ver que não me vai apetecer, ou seja, estou mesmo a ver que vou ser desmancha prazeres, mas não me vou obrigar a sair de casa para ir com eles sair à noite.

Ainda não sei bem como são os planos, mas vou jantar com eles uma bela duma jantarada e beber uns canecos, no momento de sair de casa, se me apetecer sair de casa, vou, senão fico por casa com o meu namorado que também não fico nada mal. 😊

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Passagem de ano


Vocês preferem um programa com saídas à noite e festas em grande ou preferem uma festa em grande caseirinha com os amigos?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Sarcasm Alert!!!


Vocês lembram-se de eu ter tido uma entrevista no pior sítio onde já trabalhei? Pois bem, no outro dia recebi um mail deles com uma proposta de trabalho. Fui toda contente ver o mail, porque estou fartinha de estar em casa a enviar currículos sem resposta e descobri que me queriam contratar por umas valentes 3 semanas.

UAU!!! 3 semanas? OH MEU DEUS!!! É a melhor oferta de trabalho que alguma vez me fizeram. Como é que posso recusar uma oferta dessas? Pois é, não posso recusar, porque tenho a conta a zero (quase) e por muito que me custe eles estarem a gozar com a minha cara, eu quero é trazer dinheiro para casa, nem que sejam uns troquitos miseráveis. Sim, porque nem um mês completo vou receber.

Oh, Santa Paciência, dai-me forças para não dar cabo deles todos!!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Problemas que eu tenho


Sou só eu que estou a demorar (demais) a adaptar-me ao novo Blogger? É que estou mesmo a ter dificuldade em sentir-me "em casa". Nem sei bem porquê, mas não me estou a conseguir adaptar a isto. Sei lá, é estranho, não é tão intuitivo.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Mais um ano ao lado dele


Parabéns a mim e ao meu maravilhoso namorado por completarmos mais um aninho juntos. Gosto dele mais e mais a cada dia que passa e cada vez sou mais feliz por perceber que tenho ao meu lado um homem lindo por dentro e por fora. Com ele sou feliz e com ele percebo que o amor faz todo os sentido. 

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Detesto


Detesto o painel do Blogger agora. Detesto não ter a lista de leitura logo à vista e de não ter aquelas letrinhas laranjas a dizer que tenho comentários novos.😡

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Velhices

Reparo que estou a ficar velha:

1. Quando me sento com as pernas cruzadas durante um minuto ou dois e quando me levanto tenho que ficar um tempo à espera que o sangue volte a correr normalmente nas minhas pernas;

2. Quando me estou a pentear e já vejo mais do que um cabelo branco;

3. Quando vejo adolescentes a falar aos berros e a divertirem-se uns com os outros e penso "Que barulheira!";

4. Quando acabo de comer batatas cozidas com bacalhau e penso "Que bela refeição!";

5. Quando me dizem para ir beber um copo e eu pondero "Vou sair ou fico ao quentinho a ver uma série?".

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Contra a inveja e mau olhado

Eu estive a fazer umas pesquisas, porque como devem calcular, eu não percebo rigorosamente nada sobre este assunto. 

A planta que falei no post de ontem é uma Comigo-Ninguém-Pode, também conhecida como Cana-Muda ou Cana-dos Mudos. Trata-se de uma planta de folha verde com formas irregulares brancas ou amarelas. É uma linda planta de interior, mas não é muito indicada para quem tem crianças pequenas ou animais, uma vez que se trata de uma planta tóxica e por isso mesmo não é muito boa ideia mastigar uma folha destas. Esta planta, quando mastigada, pode provocar inchaço, irritação e dor na língua. Por causa da inflamação criada nas vias respiratórias, pode-se perder temporariamente a fala, daí se chamar Cana-dos-Mudos.

Se não houver risco de haver alguém a querer comer a planta, deve-se colocar esta planta ao pé da entrada de casa para espantar energias negativas como a inveja e o mau-olhado. Eu tenho a minha mesmo ao lado da porta de entrada.

Acho piada que estamos fartos de rodar o vaso,
mas as folhas da planta vão sempre tender para cima da porta,
precisamente como está na imagem.

Depois existe outra planta chamada Espada-de-São-Jorge ou Língua-de-Sogra. São também plantas neutralizadoras de energias negativas e também devem ser usadas perto da entrada para neutralizar as más energias que passam pela porta. Eu tenho a minha mesmo à janela, assim quem passa na rua vê que aqui em casa não estamos para brincadeiras. 😝


Também existe a Arruda, também conhecida por espantar o mau-olhado, mas essa não a tenho cá em casa. É também uma planta medicinal, usando as suas folhas para fazer chá com efeito calmante. Não muito bom para grávidas, uma vez que é conhecido para tratamento de supressão da menstruação.


P.S.: Se alguém que perceba do assunto veja que eu estou para aqui a dizer altas barbaridades, por favor que me diga alguma coisa.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Inveja


A minha mãe tem a chamada Planta da Inveja e diz que se as pessoas de fora sentirem inveja pela família daquela casa que a planta cresce para proteger a família dessa inveja. A verdade é que a planta já tem que ser mudada de vaso, porque já está a rebentar com o vaso onde está. Eu não sou muito de acreditar nestas coisas, mas que andam por aí muitos invejosos, isso é verdade!

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Vocês são contra ou a favor?

É um tema muito polémico hoje em dia e gostava de saber qual é a vossa opinião sobre o casamento entre pessoas Homo Sapiens 😆😆

Agora a falar a sério, eu às vezes tenho medo com tamanha ignorância que as pessoas têm, principalmente assim em pessoal mais novo. O pessoal mais velho, como viveram em tempos onde a escolaridade não era para toda a gente, mal ou bem, deixa-se passar, mas em pessoal jovem, sinceramente, não faço ideia o que raio é que andam a fazer na escola.


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Factos aleatórios sobre mim

1. Sou uma pessoa muito magra (sempre fui).
2. As pessoas, com dor de cotovelo ou não, passam a vida a lembrar-me disso e eu não gosto.
3. Quase que cheguei a ter complexos com o meu corpo por causa das pessoas não se calarem sobre o assunto, mas eu quero que as pessoas se fodam, portanto sou muito feliz com o que eu tenho.
4. Apenas fico frustrada que as pessoas não compreendam que chamar magro a um magro, também pode magoar uma pessoa, assim como chamar gordo a um gordo. 
5. Tenho maminhas pequenas, mais uma vez, quero que as pessoas se fodam, quem não gosta, não olha.

6. Tive um namorado de quem gostava muito até começar com o mesmo paleio todos os dias de que devia engordar 10 kg.
7. Tive outro namorado que, da noite para o dia, lembrou-se que devia ter mamas maiores.
8. Foram esses dois namorados que me fizeram ter vergonha de estar nua à frente do meu próprio namorado.
9. O primeiro namorado que demonstrou não ter qualquer tipo de problemas com qualquer "defeito" do meu corpo foi o meu actual namorado.
10. A primeira pessoa a dar-me um orgasmo foi o meu actual namorado.

11. Foi giro atirar à cara do meu ex que nunca me tinha dado um orgasmo.
12. Não tenho qualquer tipo de problema em falar sobre a minha vida sexual (acho que já se notou).
13. Tenho amigos espectaculares, mas considero o meu namorado o meu melhor amigo.
14. A relação com o meu namorado começou casualmente de uma amizade colorida.
15. A nossa amizade colorida evoluiu para uma amizade mesmo muito boa e evoluiu para a relação amorosa que temos agora.

domingo, 20 de novembro de 2016

Desabafo

Com quase 26 anos de magreza que tenho em cima, ficaria completamente surpresa se alguém chegasse ao pé de mim e me dissesse "Estás mais gorda!". Como eu nunca estou mais gorda, o que dizem é "Estás mais magra!". Olha, obrigada! E novidades? 

O que me deixa frustrada nesta história, é que as pessoas nunca entendem que um magro também pode ter os seus complexos físicos. Levo sempre tudo para a brincadeira, porque entendo que as pessoas não dizem as coisas com intenção de magoar, mas cada vez que se referem a mim através da minha magreza, há sempre uma parte de mim (99%) que apetece pegar no objecto pesado mais próximo e treinar a minha pontaria. Mas há sempre aquele 1% dos pinguins de Madagáscar que é "Sorrir e acenar!".

Minha gente, eu não tenho anorexia, nem bulimia, nem anemia, nem coisas engraçadas acabadas em "-ia". Eu sou apenas uma pessoa magra! Parem de me dizer que sou magra! Oh, égua, já não vos posso ouvir! Eu sei que sou e agora? Também tenho cabelo preto e olhos castanhos, mas sobre isso ninguém me chateia. Se engordasse por cada vez que ouvisse algum comentário sobre a minha magreza, eu já estaria a apresentar o Preço Certo há uns valentes anos.

sábado, 19 de novembro de 2016

Irritações


Irrita-me profundamente quando me dizem "Tenho que falar contigo!" e eu pergunto do que se trata e as pessoas não dizem mais nada. Porque é que não podem falar logo ou pelo menos dizer do que se trata? Isso e quando estou no Facebook e recebo uma mensagem no chat a dizer "Podes falar?", eu digo que sim e a pessoa desaparece durante uma hora ou duas. Então, mas afinal não queria falar? Eu aturo gente tão chatinha.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

16 and pregnant


Não sei se conhecem este programa, mas é um programa que dá na MTV de adolescentes que ficam grávidas e como é que lidam com a situação. Estava a ver o programa e estava a dar uma rapariga que decidiu dar a sua bebé para adopção. Não sei até que ponto conseguiria dar o meu bebé para adopção. Eu sei que poderia pesar os prós e contras e não poder dar o futuro ideal ao meu bebé, mas dar o meu bebé, acho que ia ser uma dor que me iria perseguir para o resto da vida. Mesmo sabendo que ele estaria numa família óptima que lhe dá todas as condições possíveis, mas deve haver uma parte de nós que morre.

Eu não sou mãe, mas sei lá, já é difícil só de ver uma mãe ter que dar o seu filho, nem quero imaginar se tivesse que ser eu. 

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Coisas do Natal


Neste Natal, serei a única que sente falta do tradicional:

"Bem vindos ao mundo encantado dos brinquedos onde há reis, princesas, dragões,
Heróis de banda desenhada, pulos, saltos e muitos trambolhões.
O mundo dos brinquedos é no continente onde tudo tem mais fantasia.
Brinquedos, brinquedos, eles são a nossa maior alegria!"

É que já fazia parte da tradição do Natal. A Popota é gira, mas não é a mesma coisa!

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Matemática


A Matemática sempre foi o meu ponto forte na escola. No entanto, nunca soube fazer contas de dividir com dois números. Foi um ano complicado para mim o meu 4º ano. Os meus amigos todos a fazerem as contas todas e eu a sentir-me burra.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Já que gosto de ser do contra


Normalmente, está-se a semana toda ocupada e espera-se pelo fim de semana (ou folgas) para descansar. Eu sou ao contrário das outras pessoas. Passo a semana toda a descansar e espero pelo fim de semana para ficar ocupada. 
É verdade que passo a semana toda de bandulho para o ar a enviar currículos e a ver séries, mas quando chega o fim de semana... É desde Sexta à noite até Domingo à noite... sempre numa correria incrível. Só tenho pena de não ganhar dinheiro nenhum com esta trabalheira toda, senão era capaz de fazer isto a tempo inteiro. Há sempre muito stress para todo o lado, mas é um stress que compensa mesmo muito depois de se ver o resultado.

Aliás, eu estou a falar em stress, mas eu nem sou de stressar muito, sou mais de revirar os olhos ao ver o stress dos outros. Eu às vezes penso que sou mesmo má... sangue frio, como já me acusaram uma vez, mas isso são histórias para contar aqui um dia. Boa semana a todos!

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Modéstia à parte


Quando me pedem um favor, eu aceito as coisas e faço-as com gosto. Não as faço para receber coisas em troca, porque se não gostasse, não o fazia. Eu não peço nada em troca, mas um "obrigado" é sempre bem vindo. 

Mas, sinceramente, eu já estou tão habituada a não ser agradecida pelas coisas que já nem ligo. Porque, mais uma vez eu digo, faço as coisas por gosto, senão não as fazia. Sim, não ser agradecida magoa, mas ao menos olho para o que fiz e tenho muito orgulho do que fiz. Não quero saber se me vêm agradecer ou não.

O trabalho está lá, está feito e está óptimo (olha-me esta convencida)! É elogiado por todos e quem é que o fez? Ah, é verdade, fui eu! Sim, fiquei magoada, mas ao menos sinto-me orgulhosa daquilo que fiz. E a verdade é que se não me viessem pedir, eu não o teria feito! Mas fiz e agora chovem rosas para cima de mim? Claro que não, mas eu danço o tango na mesma!

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Já cheira a Natal

Fui só eu que me parti a rir com a nova publicidade da MEO? Já vi umas dez vezes e parto-me sempre a rir quando ele grita. Está brutal!


Demasiado tempo livre

Apercebo-me que tenho demasiado tempo livre, quando dou por mim a ver:

The Challenge Battle of The Exes

 Are You The One?



Ex On The Beach


É são programas cada um mais sem jeitinho do que o outro, mas durante o dia também não dá nada de jeito na televisão e ponho-me a ver estas coisas.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

História de embalar muito convincente


O dia acordou cinzento! Pudera, o Trump ganhou as eleições. Só tenho a dizer que se se decidirem começar a mandar bombas uns aos outros, ao menos que seja para cima dele, porque se alguma me vem cair aqui na minha rua, eu vou lá aos States e arranco-lhe o bico de pato à chapada. 

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Fotos de perfil


Estão a ver aquelas pessoas que metem uma fotografia do seu animal de estimação ou de uma outra coisa qualquer como foto de perfil do Facebook?

Acontece que eu não sou nada boa com nomes. Muitas vezes os meus amigos falam-me de alguém que eu nem desconfio quem seja, mas sei perfeitamente quem é a partir do momento em que vejo uma fotografia ou assim.

Ultimamente, tem-me acontecido muito, enviarem-me pedidos de amizade para o Facebook e lendo o nome, não parece estranho, mas quando vou a ver a fotografia, aparece-me um cão. Ah, assim sei perfeitamente quem é!

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Se calhar é demasiado, não?


Será que hoje em dia não sobrecarregam demasiado os putos com actividades extracurriculares em excesso? Fui contactada para dar explicações a uns putos e com certeza, aceitei. Estou com toda a disponibilidade possível para fazer isso à vontade. O problema apareceu, não no meu horário, mas no horário dos putos. Os putos simplesmente não têm horário para poder ter explicações. Isto porque nas horazinhas que têm livres, estão ocupados com actividades extracurriculares. 

Eu sei que essas actividades são importantes para o desenvolvimento dos putos, mas basta uma ou duas, não é preciso sobrecarregar o horário dos putos ao ponto de precisarem de explicações e não terem horário para as ter. É bom para eles terem essas actividades, mas não é lá muito bom terem o tempinho todo ocupado de Segunda a Sábado. Sim, até Sábado de manhã. Os putos nem ao fim de semana estão livres das actividades.

Eu, sinceramente, acho demasiado. E não, tenho muita pena, mas não posso disponibilizar o meu Sábado à tarde, porque é o único e repito, o ÚNICO dia da semana em que posso estar com o meu namorado.

domingo, 6 de novembro de 2016

Pizzas congeladas


Estão a ver aquelas pizzas congeladas? De vez em quando, gosto de as ter em casa para desenrascar uma refeição onde esteja sozinha e não me apeteça cozinhar. Eu gosto delas moles de forma a que sejam maleáveis para se poder comer confortavelmente com faca e garfo. O meu namorado gosta delas estaladiças para as poder comer com a mão. E depois tenho uma amiga minha que as adora rijas, mas mesmo rijas, ao ponto de se agarrar numa fatia e quase que dá para palitar os dentes com aquilo. E pronto, lembrei-me disto, porque comi uma pizza destas ao almoço.

sábado, 5 de novembro de 2016

Mundo das Bandas Desenhadas


Serei a única pessoa no mundo que está completamente farta de filmes e séries de super-heróis? Será que ainda não esgotaram as hipóteses todas de heróis? É que sinto que estão a espremer as bandas desenhadas de tal maneira que eu já nem posso olhar para elas. Eu sempre gostei de super-heróis e de repente, fiquei de tal maneira enjoada que cada filme que saia fico com a reacção "Epá, outro?

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Aproveitando a onda

Continuando na onda de falar mal dos vizinhos, lembrei-me de um outro episódio que tive com os meus vizinhos de cima que isto contado, ninguém acredita. 

Eles têm uma janela da cozinha virada para a frente do prédio. E no fim das refeições, toda a gente tem a tendência de sacudir a toalha por causa das migalhas. Eu por acaso tenho o hábito de a sacudir para dentro do lava-louça ou directamente para o lixo, mas eles não. É logo pela janela a baixo. E mais uma vez, têm a decência de reparar se alguém está a passar na rua? Claro que não!

Vinha eu a chegar a casa toda contente e cheia de fome porque era hora de almoço e eu ainda não tinha almoçado, quando sinto uma chuva esquisita na minha cabeça. Quando olhei para o chão, reparei que eram migalhas, mas não eram duas ou três, parecia que tinham estado a torturar o pão em cima da toalha. Como já não bastava a chuva de migalhas e de farinha em cima de mim, senti uma coisa fresca a passar-me pela orelha. Era nada mais, nada menos do que um pedaço de cebola. 

Eu sei que migalhas e um pedaço de cebola não são nada, mas eu naquele momento só consegui sentir nojo e o mais incrível é que não era nojo daquilo que tinha acabado de levar em cima, era nojo de ter uns vizinhos assim que não se preocupam com nada. Sorte tiveram eles por estar no 1º andar, porque se eu apanhasse à frente um deles naquele momento, eu juro que desatava à chapada.

É que eu tenho tanto nojo deles que quando passo por eles na rua só me apetece mandá-los à merda. Dá para reparar o quanto eu os adoro, não dá?

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Porque é que existem vizinhos?

Eu adoro a minha casa. É pequenina, jeitosinha e fofinha, mas tem um bruta de um defeito que eu não desejo a ninguém... Fica num prédio. Vivo num rés do chão num prédio pequeno que só tem 4 casas, mas basta a casa de cima para me tirar do sério. 

Enquanto arrumamos a casa, mantemos as janelas abertas e já por várias vezes, estou eu a arrumar o aspirador e os produtos do pó, quando a minha vizinha de cima decide sacudir os tapetes para cima da minha janela. É ver pêlos de gato e de cão e de sei lá mais o quê a entrarem-me pela janela dentro a voar. Ora, eu fico piursa com isso! Ao menos tinha a decência de reparar se a minha janela estava aberta ou não, porque da varanda dela dá para ver perfeitamente. Lá vou eu avisar a mulher que é nojento estar a pôr o lixo dela para dentro de minha casa e lá vou eu limpar e aspirar o quarto outra vez.

A mais recente nojice, é o filho ir de 5 em 5 minutos à varanda fumar e não despejar o cinzeiro nunca. E isto vai pela noite fora, dou por mim acordada às 5 da manhã, com a janela da varanda a abrir para ele ir fumar, mas deixa sempre o cinzeiro na varanda. Fazendo as contas, fumar de 5 em 5 minutos, durante as 24 horas do dia, isso dá um total de uma javardice de cinzeiro cheio de beatas de cigarro. Até aí, tudo bem, não tenho nada a ver com a javardice dele, mas tenho tudo a ver com isso quando o vento decide passar por ali e deixar o esterco todo no meu pátio. 

Enquanto era só o pátio, bastava passar uma vassoura e ninguém se chateava, até porque ninguém tem culpa de estar vento, mas a partir do momento que uma pessoa tem um estendal de roupa a enxugar e quando a vai apanhar, vê que a roupa está toda suja de cinza e de beatas em cima da roupa, aí o caldo fica entornado... mais uma vez.

Mas será que as pessoas não têm um pingo de bom senso? Será que as pessoas não reparam que não vivem sozinhas ali?  

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Curar a azia


No outro dia, disse por aqui que fiquei com azia depois de ter feito uma sesta depois do almoço. Passei o dia todo com o raio da azia, mas cheguei a um ponto em que já estava mesmo à rasca, porque me sentia toda a arder por dentro. Parecia que tinha bebido um shot de tequila, mas o efeito de ardor no esófago não passava. 

Não tinha nada em casa para fazer aliviar o efeito da azia, então fui bebendo água todo o dia para fazer passar o fresco pelo peito. Depois de jantar, nem um bocadinho de alívio senti na azia e estava mesmo a ficar aflita. Então fui pesquisar sobre curar a azia em casa e vi algures que comer uma torrada alivia a azia, porque anula os ácidos do estômago. 

Decidi ir experimentar e como era uma solução tão simples, mal não me ia fazer. Agora, não sei se foi efeito placebo ou não (e nem quero saber), a verdade é que a azia desapareceu depois daquela torradinha. Eu estava à espera que aliviasse um bocadinho, mas ela desapareceu por completo. Com uma simples torrada! Se tivesse pesquisado mais cedo, tinha comido a torrada mais cedo e escusava de ter andado o dia todo em agonia. 

Agora sinto-me uma curandeira quando aconselho toradas para a azia.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Dia de Todos os Santos


Sabiam que a palavra "Halloween" é uma contracção da expressão "All Hallows Eve" que significa Véspera de Todos os Santos?

E pronto, hoje apeteceu-me vir dizer isto.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Trick or Treat

Não, não vou fazer um post sobre o Halloween. A razão deste título é pura e simplesmente porque me apeteceu. Hoje, venho aqui só para dizer que cometi uma pequenina loucurazita. Com loucurazita, quero dizer que gastei 15 euros numa agenda, mas não é uma agenda qualquer.

Todas as agendas que vejo, têm todas uma capa super gira, mas depois quando se abrem, parece que perdem a piada toda e depois, tinha a mania que queria uma vista mensal e uma vista semanal. Parecendo que não, habituei-me a ter uma vista mensal para facilmente detectar os dias a passar e funciona. Facilmente se detecta a chegada de um aniversário ou de uma deadline ou de uma coisa qualquer, coisa que só com a vista semanal não se detecta com tanta facilidade. A vista semanal uso-a para descrever compromissos e tarefas mais detalhadamente. 

De todas as agendas que eu já espreitei, na FNAC foi o único sítio onde encontrava uma agenda decente, mas depois olhava para o preço e tinha vontade de chorar. Pelo menos beicinho fazia, porque nunca chegava a chorar... parecia mal, senão desatava mesmo a chorar. 

Certo dia, enquanto o meu namorado via preços de teclados e phones para poder jogar com melhor qualidade, eu espreitava tudo o que era material escolar, porque se eu pudesse comprava cadernos e canetas todos os dias. E lá estavam as belas das agendas, mas estava lá uma que nunca tinha reparado. Esta:


Em primeiro, reparei na fitinha para fechar a agenda. Sim, eu tenho uma panca por cadernos que fecham, seja através de um botãozinho ou de uma fitinha. 

Depois, reparei que era de argolas e eu adoro cadernos de argolas, porque os acho muito mais práticos para escrever. 

Quando abri a agenda, apaixonei-me instantaneamente pelas cores. A seguir reparei que em cada mês existia uma vista mensal e só depois a semanal e fiquei cega de amor. 

Nesta altura, comecei a ficar triste, porque estava mesmo a ver que a agenda custava pelo menos uns 30 euros... qual não é o meu espanto, quando viro a agenda para ver o preço e vejo que é metade daquilo que eu estava a pensar. Eu sei que barata não é, mas é muito mais barata do que aquilo que estava a pensar, por isso é que achei um preço muito convidativo. 

Fui para casa a pensar no assunto e na semana seguinte fui lá comprá-la antes que ela fugisse. É a minha prenda de Natal antecipada para mim mesma e não vejo a hora de começar a usá-la. 

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

A vida é feita de injustiças, mas há que passar por cima e continuar a lutar



Eu não estou a entender o alarido todo à volta desta notícia. Não entrou por 3 décimas, ok, é mesmo muito chato. Eu também ficaria piursa da vida, mas quantos outros milhares de alunos, em medicina e não só, ficaram de fora por uns míseros numerozitos? Quantos não viram os seus sonhos estragados por uns exames que não correram bem? 

A vida é feita de injustiças, mas não é por isso que vamos amuar ali para o canto. Acho muito bem que a rapariga siga o seu sonho, mas se queria mesmo entrar em Portugal, como se costuma dizer, não foi este ano, tenta-se para o ano. 

Tenho uma amiga minha que tem exactamente o mesmo sonho. Conheço-a desde os seus 4 anitos e desde aí que ela diz que quer ser médica. Quando chegou a altura de concorrer, ela não entrou por uma décima, não 3, apenas uma. No entanto, ela voltou a estudar para os exames nacionais e voltou a fazê-los e agora lá está ela a estudar aquilo que sempre quis. Não foi naquele ano, foi no ano a seguir! Tudo bem que adiou um bocadinho os seus planos de estudo, mas era o que ela queria e não foi adiado assim durante tanto tempo.

O sistema é injusto? Talvez.
Dão demasiada importância às notas do secundário? Talvez.
Dão demasiada importância às notas dos exames nacionais? Talvez.
Dão demasiada importância a qualquer nota que se tenha na escola? Talvez.
(Afinal o que é que querem que seja avaliado para concorrer à Universidade? A vontade da pessoa? "Quero mesmo mesmo mesmo mesmo mesmo muito ir para este curso! Ah, então se a vontade é assim tanta tens um 20!")

Bom, isto tudo para dizer que acho muito bem que sigam os seus sonhos, mas se eles não se realizam logo à primeira, há que continuar a lutar por eles. 

P.S.: Eu não estou contra ao que a rapariga fez. Se ela está indignada, que mostre a sua indignação à vontade. Só acho, e espero não ser apedrejada por dizer isto, que a rapariga, com o que diz na carta, só mostra uma menina mimada que ficou amuada por não entrar na Universidade que queria. É o que eu acho! Por favor, não me mandem pedras!

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Pobres e mal agradecidos

Já contei algures por aqui que pertenço a uma actividade cultural aqui da terra. Vamos fazendo uns eventozitos para ir angariando dinheiro para poder continuar com a actividade. Mas quem está de fora pensa que com esses eventos, chove dinheiro para os nosso lados, o que é totalmente mentira. 

Sim, faz-se um bom dinheiro até, mas depois de se pagar a fornecedores, licenças, aluguer do espaço, conjunto ou qualquer outro entretém que vá actuar no evento, água, luz e muitas outras coisas que infelizmente não é nada de borla, o lucro feito são uns meros eurozitos que para continuar com a actividade é pouco ou nada.

Recentemente, uma amiga do pessoal veio pedir ajuda para manter a instituição onde ela trabalha de portas abertas. Isto, precisamente, porque ela pensa que nadamos em dinheiro. Ela veio pedir dinheiro a quem não o tem, infelizmente. Eu se pudesse, daria todo o dinheiro que pudesse, mas não o tenho. 

Mas não fizemos caso disso! Apenas dissemos que dinheiro é mesmo muito apertado, mas demos toda a disponibilidade possível para organizar um Natal solidário, onde faríamos a angariação de alimentos, roupas e as quantidades monetárias que se fizessem através da venda de rifas e de pequenos leilões de bolos e coisas assim. 

Pois a gaja disse à cara podre que não precisa desse tipo de ajuda! E disse com todas as letras possíveis que precisa de DINHEIRO!

'Miga, de dinheiro toda a gente precisa, porque, infelizmente, ele não nasce nas árvores e também não é semeado na terra. Mas negar a ajuda que as pessoas podem dar (que é pouco, mas é de boa vontade) é o mesmo que as estar a mandar à merda.

As vendas de rifas e leilões dariam uns bons 200 ou 300 euros, mas com a boa vontade das pessoas ao saberem que era um trabalho solidário, era capaz de chegar aos 400 ou 500 euros, mas ela decidiu dizer que não a "esse tipo" de ajuda. 

Mas será que ela pensa mesmo que temos mais do que esse dinheiro na conta bancária e pudemos ficar sem ele? Ela quando se dirigiu à gente a pedir dinheiro, pensou mesmo que lhe íamos dar para cima de 1000 euros? É que eu acho mesmo que ela pensava que lhe podíamos dar 1000 euros enquanto o diabo esfrega um olho. Quem dera a gente ter esse dinheiro também!

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Mãe, nunca me abandones


Não sei se é por boas razões ou se é por más razões, mas no meu ponto de vista é por uma razão brilhante que eu hoje sinto-me uma criança. Na verdade, acordei de manhã com os olhos pesados e quando os abri, via tudo fosco e precisei de algumas tentativas de abre e fecha os olhos para conseguir focar bem aquilo que estava a ver. 

Resumindo, estava uma aranha gigante e mutante com esteróides a correrem-lhe no sangue, no meu tecto e eu saí a correr do quarto para ir chamar a minha mãe para a matar. E a minha mãe com a sua arma mais poderosa, a vassoura, veio em meu socorro. Só faltava ir chorar para trás das pernas dela!

domingo, 23 de outubro de 2016

Coisas más de se fazer uma sesta


Adormecer logo depois do almoço e acordar com uma azia do caraças por não fazer a digestão em condições. Depois, ainda por cima, cá em casa existem todos os tipos de medicamentos e pomadas e coisas dessas de farmácia, mas nunca existem coisas boas para a azia. 

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Perguntas


Às vezes, pergunto-me até onde é que as pessoas vão com a estupidez humana? Será que são ataques passageiros ou são mesmo adjectivos que pudemos colocar no currículo das pessoas?

Nome: Emma
Idade: 25 anos
Descrição: Estúpida por natureza

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Curiosidades

Adoro a série How I Met Your Mother e ainda há pouco tempo voltei a revê-la e descobri uns factos interessantes sobre a série que não fazia a mais pequena ideia da sua existência. Mas aqueles a que eu achei mais piada foram aos maridos que entravam de vez em quando na série.

Sandy Rivers era o apresentador da Metro News 1 ao lado de Robin Scherbatsky. Armado em galã, passava o tempo todo a tentar convencê-la a ir para a cama com ele, coisa que ela recusava sempre. 


Na realidade, Sandy Rivers é interpretado pelo actor Alexis Denisof que é nada mais, nada menos do que o marido de Alyson Hannigan, actriz que interpreta Lily Aldrin.


Depois temos Gary Blauman que trabalha para a empresa onde Marshall Erickson foi fazer o seu estágio. Mais tarde, Marshall começa a trabalhar para a GNB onde Blauman também está a trabalhar no Departamento Legal. É daqueles típicos colegas que só está bem a gozar com os outros.


Gary Blauman é interpretado por Taran Killam que na realidade é marido da actriz Cobie Smulders que interpreta Robin Scherbatsky.


Por último, temos Scooter, o namorado de Lily da altura do secundário. Lily acabou a relação com Scooter no baile de finalistas para puder ir para a Universidade (onde conhece Marshall) livre de relacionamentos, mas Scooter nunca a esqueceu e vai aparecendo na série em modo "Stalker" da Lily.


Scooter é interpretado pelo actor David Burtka que na verdade é marido de Neil Patrick Harris, actor que interpreta Barney Stinson.


E estes são os maridos que vão entrando de vez em quando na série.


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Nunca fazem aquilo que dizem

E já se passou a semana e já estamos numa nova e os gajos da entrevista disseram que diziam alguma coisa durante a semana tanto para dizer boas notícias como para más notícias. No entanto, não recebi uma única mensagem, um único mail ou um único telefonema. Deixaram-se ficar no silêncio e a mim na ignorância.

sábado, 15 de outubro de 2016

Conversas de café


Tenho amigas minhas que vão para o café reclamar sobre os namorados. Acho que é normal isso acontecer, porque no café só se está bem a reclamar dos outros. O que não acho normal é a relação não andar bem, fartarem-se de enumerar desfeitos nas relações, dizerem que estão fartas e mais não sei o quê, mas mesmo assim não terem uma conversa verdadeira com os namorados. 

Todas as relações têm defeitos, claro que sim, mas se esses defeitos não forem falados com calma de forma a que se possa arranjar uma solução conjunta, esses defeitos vão sempre perdurar até que um expluda. 

Estou a  falar disto porque tenho, não uma, mas duas amigas que já não andam bem nas suas relações há bastante tempo. Falam de episódios em que os namorados despropositadamente (ou não) as magoaram, mas em vez de falarem com eles sobre o que lhes vai na alma, continuam a acumular episódios desses.

Eu sei que é fácil falar, o pior é fazer, mas eu não conseguia descansar enquanto andasse com o meu coraçãozinho apertado enquanto não dissesse tudo o que tivesse para dizer. E ter uma conversa séria com o namorado, não é sinónimo de discussão. Ninguém precisa de levantar a voz a ninguém. É só arranjar um tempinho, sentarem-se os dois e resolverem as coisas como pessoas grandinhas que são. 

Eu não sei como vocês pensam, mas a mim faz-me bastante confusão as coisas não andarem bem e não arranjarem forma de se porem bem. 

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Lá está ele a espreitar


Ontem, reclamei com o sol por andar desaparecido e ter decidido desaparecer do mapa. Hoje, cá está ele a espreitar. Olá sol! Já tinha saudades tuas. Fazes falta por aqui.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Dias sem sol


Quando uma pessoa está habituada aos dias cheios de sol, quando chegam estes dias em que o sol nem sequer espreita, parece que deixa uma pessoa triste e cansada. Eu pelo menos sinto-me triste e cansada!

Não é que esteja triste com alguma coisa e muito menos cansada, porque nem tenho feito grande coisa, mas mesmo não fazendo grande coisa, parece que chego sempre a casa como se estivesse o dia inteiro a correr dum lado para o outro.

E eu ponho essa culpa no sol que não lhe apetece aparecer. Eu sei que a chuva nos faz falta, como é óbvio, mas pode chover à vontade com o sol a espreitar na mesma. Ninguém o impede! Não é preciso amuar só porque apareceu a chuva.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

O Resgate do Soldado Ryan


Eu sou doida com filmes sobre a Segunda Guerra Mundial e também sou doida com filmes onde esteja o Tom Hanks. No entanto, nunca vi este filme que tem as duas coisas: Segunda Guerra Mundial e Tom Hanks. Provavelmente, ainda não vai ser hoje que o vou ver, mas já está agendado para o ver assim que consiga.

Já alguém o viu? O que acharam?

Deixo aqui o trailer para quem quiser espreitar:

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Ansiedade

Já passou o fim de semana e portanto já começou o tempo em que podem dar alguma resposta sobre a entrevista. Ainda só hoje é Segunda, eu sei, mas uma pessoa começa a estar um bocado ansiosa. Será que ligam, será que não ligam? É que em mais nenhum lado dizem alguma coisa e eu já estou fartinha de estar sem fazer nada.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Já está

E lá fui eu à minha entrevista. Acho que até correu bem, mas como eles são todos meio avariados do cérebro, o que para mim pode ter parecido um mar de rosas, para eles foi a terra transformada em inferno com os vulcões a entrarem todos em erupção ao mesmo tempo. Gostaram da minha comparação de cérebros? Mas pronto, lá vou eu continuar a entregar currículos, porque nunca se tem nada como garantido.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Amanhã, lá vou eu

E amanhã, vou lá então à minha bela entrevista. Vamos lá ver como corre e se fico mesmo lá a trabalhar. Por um lado, obviamente que quero trabalhar, mas por outro... será que não há mais nada? Ai, como eu sofro!

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Paciência


Eu não tenho paciência nenhuma para aquele pessoal que tem mais sorte do que juízo. É que me deixam mesmo os nervos à flor da pele.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

O Carma atingiu-me


Já trabalhei em vários sítios e já fiz as mais variadas funções e de todos esses sítios, eu tenho alguma coisa positiva a dizer, excepto num deles. Houve um certo sítio, onde só trabalhei durante um mês e estava doidinha que o tempo acabasse, porque eu detestei estar ali a trabalhar, não pelo trabalho, mas mesmo pelo pessoal que trabalhava comigo. 

Foi um sítio onde nunca me consegui adaptar ao ambiente. Era tudo muito mesquinho, tudo muito de nariz empinado e eu nunca fui muito com pessoas assim, por isso é que nunca me consegui ambientar ali. No tempo que ali trabalhei, entrei uma estranha e saí uma estranha contente (por sair dali). 

Mas trabalho é trabalho e como uma pessoa anda agora sem trabalho, continuo a mandar currículos para todas as vagas que abram. E portanto, voltei a mandar currículo para o pior sítio onde trabalhei. E depois de mandar uma data de currículos para os mais variados sítios, qual é o único sítio onde tenho uma entrevista? No pior sítio onde eu alguma vez trabalhei. 

Pode ser que desta vez seja diferente. Se não for, olha, tenho que me aguentar à brava!

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

A minha bela cabeça

Eu ando tão bem ou tão mal, que fui ver o primeiro episódio de uma nova temporada de uma série e não estava a entender nadinha do que se estava a passar, quando fui pôr o segundo episódio, reparei que afinal tinha acabado de ver o segundo episódio e não o primeiro. Por isso é que não estava a perceber nadinha. 

Agora, vocês perguntam "Como é que não reparaste que não era o primeiro episódio?"... pois, é um mistério que nunca se saberá a resposta.

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Carma

Há alguns anos atrás, eu tive um namorado que mal me deixou, começou logo a namorar com outra rapariga. Vim a saber mais tarde, que eles já namoravam antes de sequer terminarmos o nosso namoro. Sim, basicamente eu podia ter dado cabo daquele relacionamento, porque acho que a namorada dele não ia gostar muito de saber que o namoro deles começou de forma não muito apropriada.

Mas como eu sou uma excelente pessoa, decidi que não me ia chatear por causa disso. Até porque uns tempos mais tarde, conheci o meu actual namorado e hoje sou muito feliz com ele.

Ontem, soube que esse meu ex-namorado, afinal já não tinha namorada. Não faço ideia as razões desse término e não é que eu lhe queira algum mal, mas basicamente fui trocada por outra e não foi um sentimento nada bom na altura, mas como eu curto bué quando o Carma atinge certas pessoas, então não deixo de ter a seguinte reacção:

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Pensamento do dia


Às vezes, penso que... apesar de ser Outono... eu deveria estar na praia neste exacto momento. Estão 30ºC na rua, pá!

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Mudanças no blogger

Uma pessoa anda desaparecida durante um tempinho pequenino e quando volta encontra tudo diferente. Os seguidores do blogue só têm direito a aparecer no quadradinho se tiverem conta no google e para seguir outros blogues, também não deixa seguir só com a conta do blogger, tem que ser com os dados do google. Que raio se passa aqui?

Preguiça-mor


Às vezes, sinto-me de tal maneira preguiçosa, que tenho roupa para passar até ao tecto, mas arranjo uma desculpa qualquer para sair de casa só para fugir da roupa. O pior é que a roupa não foge e quando chego a casa, ela está exactamente no mesmo sítio onde a deixei. 

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

O que fazer?

O que fazer quando o blogue já não nos diz muito, mas queremos ter um blogue na mesma? Apagamos o actual e fazemos um novo? Ou apaga-se tudo do blogue e faz-se tudo do zero? Pessoalmente, acho que prefiro apagar e fazer um novo, assim como se se tratasse de uma nova casa. O que me dizem?

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Triângulos


Sou só eu que fico fora de mim quando vejo pessoas com cursos superiores que nunca ouviram falar no Teorema de Pitágoras e não fazem a mais pequena ideia para que serve? Eu sei que nem toda a gente é um "ÀS" a matemática, mas ao menos que tenham ouvido falar nem que fosse assim ao longe, nos tempos do 9º ano em que se adormecia nas aulas com as palavras dos profs. Não ficou nem um bocadinho gravado assim no lugar mais pequeno da consciência? 

Eu já fico contente quando me dizem que tem alguma coisa a ver com triângulos.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Feitio de mãe

A minha mãe quando está com o TPM tona-se uma pessoa impossível de aturar. 
Quando fica doente é outra das alturas em que fica impossível de aturar...

Agora imaginem, quando por acaso, as duas coisas calham na mesma altura.



segunda-feira, 25 de julho de 2016

Ponto situação das férias


Isto de já não vir ao blogue há um mês e tal tem muito que se lhe diga... parece que já nem sei mexer nisto. Decidi alterar só uma coisinha ligeira que foi o cabeçalho e por agora fica assim, porque até acho simples, mas fofinho.

Eu tenho feito bastante nas minhas férias: Já comi meia dúzia de gelados e já actualizei as minhas séries todas. Bastante não é? Mas agora já cheguei àquela fase que já estou farta de estar em casa. Estou só à espera que venha o fim de semana para raptar o meu namorado e levá-lo até à praia, porque eu até estou com uma corzinha engraçada, mas é de andar debaixo deste sol abrasador, nada tem a ver com praia.

Até lá acho que vou começar a passar grande parte das minhas tardes na esplanada do café, a beber coisas boas ou a comer gelados.