sexta-feira, 29 de abril de 2016

Se eu não respondo é porque não quero responder


Há gente mesmo chata em conversa. Eu não sou de mandar as pessoas à merda logo à primeira hipótese, mas as pessoas fazem-me uma pergunta e eu não respondo, pois vão tentar dar a volta à conversa e vão voltar a fazer a mesma pergunta e eu vou voltar a não responder. Como não ficam satisfeitas, ainda vão tentar dar a volta à conversa outra vez e fazer exactamente a mesma pergunta. Se eu não respondi à primeira, nem à segunda, muito dificilmente vou responder à terceira, mas será que as pessoas não percebem isso ou preferem mesmo serem mandados à merda? É que parece mesmo!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Viciantes

Decidi comprar um saco de rebuçados destes:


E agora não consigo parar dos comer. São tão bons e tão viciantes que uma pessoa perde-se a comer estas coisas. Só dei por mim a abusar quando reparei que tinha a secretária cheia de papéis dos rebuçados. Agarrei neles e tive que os ir arrumar, senão a tentação é demasiado grande.

Desmaiar


Ainda, no outro dia, uma amiga minha foi trabalhar à pressa e acabou por sair de casa sem comer e nisso resultou que caiu redonda no chão. Pus-me a pensar na situação e cheguei à conclusão que nunca desmaiei na minha vida (e ainda bem, é claro). Já senti a cabeça à roda, já me senti a querer ir abaixo das pernas, já vi tudo preto à minha frente, já tive tonturas onde me tive de agarrar à parede, mas nunca caí no chão desmaiada.

Acho que o mais perto que estive disso foi a primeira vez que tive dores por causa do período. Parecia que sentia facas a espetarem-me na barriga e a dor era de tal maneira que eu olhava em frente e via tudo preto, parecia que via a rua ao fundo do túnel. Sentia as pernas fracas e se por acaso tropeçasse era bem provável que as pernas não se aguentassem em pé. O que vale é que estava com a minha mãe que me levou à farmácia e não faço ideia o que me deram para tomar que passado uns 10 minutos já andava a correr e a saltar para todo o lado.

domingo, 24 de abril de 2016

Desculpas


"De desculpas está o inferno cheio!" e não podia estar mais de acordo. Para mandar bitaites para o ar está sempre tudo pronto a tempo e horas, mas quando é para fazer alguma coisa, existe sempre a bela da desculpa. A minha paciência está-se a esgotar e eu daqui a nada fodo-os com uma pinta do caralho e depois não quero saber se sou uma isto ou uma aquilo.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

E paciência para aturar esta gente


Há quem trabalhe e há quem não faça nada, mas por incrível que pareça, quem não faz nada é que reclama sempre do trabalho que está feito.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Smiles


Hoje em dia, se mando uma mensagem que por acaso não contenha um smile é logo sinónimo de que estou de mal com a vida. Por favor, digam-me que raio de lógica é que isto tem? Sim, eu compreendo que depende do tom da conversa e tal, mas se combinam uma certa hora e eu respondo "Ok", pensam logo que estou a responder secamente e que estou a ser obrigada a alguma coisa. Não quero é ser obrigada a pôr smiles em todas as mensagens que mando.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Haters


Estive agora a ler um blog que está infestado de haters. É que para além de só comentarem em anónimo, se não gostam, porque é que continuam a ler o blog? Com tanta coisa de útil que há para fazer, continuam a picar uma pessoa através do anonimato. Que raio de passatempo mais idiota! Haja paciência para responder a essa gente toda, já eu gosto de os deixar falar até se fartarem.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Estupidez humana


Eu às vezes preocupo-me com a lentidão das pessoas para perceber que fazem certas coisas que podem ofender outras. É que se calhar não são elas que são lentas, se calhar são só mesmo estúpidas e fazem questão de espalhar a sua estupidez pelo mundo fora, quando pensam que são os melhores do mundo. 

domingo, 17 de abril de 2016

Descanso


Hoje é dia de descanso. Não quero saber de estudos, não quero saber de trabalho e não quero saber de projecto nenhum. Hoje é dia de não fazer nenhum! Hoje não abandono o meu pijama nem por nada... e tenho dito!

sábado, 16 de abril de 2016

Fadiga


É claro que o corpo começa a entrar em fadiga. Estes últimos tempos sinto que é uma correria para todo o lado e quando dou por mim, estou mesmo a correr dum lado para o outro. Portanto, hoje atacaram-me as dores musculares. Tenho as pernas como se tivesse andado a correr a maratona. Pareço uma pessoa idosa a movimentar-se, onde já toda a gente vai avançada e eu ainda cá estou atrás a ir mesmo muito devagarinho.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Pouco tempo


Ultimamente, sinto que tenho demasiada coisa para fazer e pouquíssimo tempo para o fazer. Notem que neste momento são 01h07 e amanhã tenho que acordar às 7h, mas ainda não tenho sono nenhum, porque ainda estou com a adrenalina toda de não ter parado o dia todo. O que me leva a pensar "Porque é que o ser humano não aguenta uma semana sem dormir?", assim eu podia usufruir das 24 horas do dia e evitava de andar a correr dum lado para o outro.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Surpresa


Nunca fui mulher de surpresas, sejam boas ou más, gosto de ter sempre todas as hipóteses em aberto para não ser apanhada de surpresa. É que não gosto mesmo nada, as pessoas podem ter a melhor das intenções, mas eu fico sempre com uma cara de poucos amigos que até me assusto a mim própria e nem sequer estou a olhar para mim mesma. 

Eu acho que sou assim, porque eu não fico chateada com as pessoas que me façam surpresas, eu fico chateada comigo própria por não ter em consideração aquela hipótese. Eu sei que é estúpido, mas sou mesmo assim! Não gosto de controlar ninguém, mas sempre gostei de ter o controlo sobre mim mesma e isso inclui quando estou a cair de bêbeda, detesto perder o controlo sobre mim mesma. Então, quando há surpresas significa que eu perdi o controlo de alguma maneira e fico a chamar mil e um nomes a mim mesma por ter deixado escapar uma hipótese. 

Eu sei que sou maluca, mas eu juro que sou boa pessoa (auréola no topo da cabeça)!

Portanto, se alguma vez me tentarem fazer uma festa de aniversário surpresa, provavelmente vou desatar à pancada a todos os que gritarem surpresa à minha frente... mais uma vez, eu juro que sou boa pessoa!

domingo, 10 de abril de 2016

Não posso deixar para amanhã


É muito triste quando chego a casa depois de um dia bastante atarefado e me apercebo que me esqueci completamente de passar um tabuleiro de roupa. E não, não o posso deixar para amanhã, porque começa uma nova semana e vou voltar a esquecer-me de certeza, portanto lá vou eu pegar no ferro e meter mãos à obra.

sábado, 9 de abril de 2016

Voltou a chuva


E a chuva voltou e a energia parece que se foi embora com o sol. Apetece-me ficar na ronha o dia inteiro, mas não pode ser. Hoje, vou andar o dia todo ocupada, mas que vontadinha eu tenho para tirar o meu rico pijama e sair de casa. 

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Adormecer rápido


Tenho uma certa inveja de toda a gente que vai para a cama e adormece instantaneamente. Para adormecer, preciso andar às voltas durante imenso tempo e até posso estar a morrer de sono, mas adormecer parece que é coisa proibida no meu corpo. E por isso mesmo, invejo toda a gente que seja assim e o meu pai é uma dessas pessoas. Chega a uma certa hora e diz "vou dormir", vira-se para o lado e adormece seja em que sítio for. Como é que é possível? Gostava tanto de ter bastante menos noites em claro.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Apetite


Quando o calor começa a aparecer, tenho sempre um problema com a falta de apetite. Consigo andar o dia inteiro sem comer e nem por isso sinto falta. Não faço ideia porque é que isto acontece, mas quando dou por mim, já nem me lembro da última vez que comi e obrigo-me a ir comer. Como não tenho apetite nenhum, como uma ninharia qualquer e fico completamente cheia. Eu chego ao ponto de ter que controlar os horários para ir comer, porque a fome não me aparece de todo. Então chega àquela hora e obrigo-me a ir comer, porque sei perfeitamente que se não comer ainda caio para o lado no meio da rua.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Finanças


Eu sou daquelas pessoas que não percebe nada de finanças, ou seja, na hora de pôr o IRS, eu vou pondo conforme o que pede o formulário e rezo para que não fique nada mal preenchido. Agora porquê e para que serve, não faço a mais pequena ideia. E quando aparece qualquer coisa de errado e eu não faço a mais pequena ideia porquê, a minha mãe farta-se de reclamar comigo, porque, segundo a argumentação dela, como passo a vida no computador, deveria saber tudo o que se passa num computador, isto é, como o IRS é feito através da internet, eu deveria saber o porquê de alguma coisa dar errada. 

Ora, isto faz-me lembrar um post que fiz há um tempo. Ela tem inteligência para saber que o erro não tem nada a ver com o computador, mas mesmo assim tem que reclamar comigo, só porque sim, porque fica nervosa e começa a panicar por tudo e por nada e reclama com o que tem à frente. Imaginem se eu fosse uma pessoa de discutir por tudo e por nada... era um vendaval cá em casa!

terça-feira, 5 de abril de 2016

Calor


Hoje, já esteve um calor mesmo bom, daqueles que só apetece andar na rua. Pena que passei maior parte do tempo em salas de aulas, mas não há stress. Só para dizer que à hora de almoço, o Vícios Urbanos estava cheio de gente a jogar no placard. E como me assustei com tanta gente, vim-me embora sem apostar.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Ai, preguiça


Estava tão confortável na minha cama quentinha a ouvir a chuva cair lá fora, quando de repente, o telemóvel desperta. Lá se vai a boa disposição toda. Hoje, saí da cama tão rabugenta e mesmo assim fui a única pessoa a dizer bom dia ao motorista do autocarro.

domingo, 3 de abril de 2016

Trabalho em equipa


Basicamente, o que me dizem hoje em dia é "ou tu comentas os facebook's de toda a gente e portanto sabes "trabalhar em equipa" ou não ligas nenhuma ao facebook e não serves para este trabalho". Juro que cada vez sinto mais isto! O que eles chamam de "trabalho em equipa" é tirar o máximo de fotos possíveis na noite.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Há dias mesmo chatos


Estes últimos dias (hoje incluído), têm sido daqueles dias mesmo chatos que me fazem arrastar os pés dum lado para o outro para puder caminhar. Não me apetece fazer mesmo nada, só estou bem na cama armada em criança birrenta. Não faço ideia o que se passa, se são as hormonas que fazem isto, a verdade é que parece que passo o dia em agonia e o mais estanho é que nem tenho dores. Espero bem que amanhã isto passe, senão espeto uma chapada a mim mesma ou atiro-me a um lago gelado para ver se acordo duma vez.