sábado, 7 de maio de 2016

Colégios com contrato de associação

Agora anda aí a polémica que os colégios com contrato de associação vão deixar de ser financiados já no próximo ano lectivo. Milhares de alunos, ex-alunos e os respectivos pais andam a fazer manifestações e cordões humanos contra essa decisão. 

Eu fui estudante num destes colégios e vejo todos os meus amigos e ex-colegas a encher o facebook com posts super profundos sobre as boas memórias que trazem daquele colégio. Saem de casa e vão participar em todas as manifestações e vigílias que são organizadas. Todos levam cartazes que dizem "Aqui fui feliz!" ou "Esta é/foi a minha segunda casa" ou coisas assim do género.

E depois fartam-se de me chatear para eu ir também, para ir também defender o colégio, mas há o problema de que eu não quero defender o colégio

Eu lá não fui feliz! 
Foi minha casa, porque assim "fui obrigada"! 
Não me ensinou a ser mais e melhor!
Ensinou-me, sim, que quem sabe dar graxa tem tudo o que quer!
Nunca me fez sentir em família!
Não gostei de lá andar!
Estava mortinha para me vir embora de lá!
Não houve mais do que dois professores a ficarem gravados no meu coração!
Passei uma má fase psicológica da minha vida (não, não sofri de bullying)!

E agora querem que vá defender uma coisa que me fez tão mal? Eu defendo mas é o caralho! 

Eu passei lá uma má fase da minha vida, mas não foi por causa dos meus colegas e amigos, foi mesmo por causa dos professores que sempre me rebaixaram, porque eu era uma pessoa calada. Sim, isto é verdade! Eu nunca fui de dar graxa aos queridos professores e por isso mesmo fui sempre prejudicada nas notas com o argumento de que era "calada". Fiz o meu secundário numa escola pública e nunca tive nenhuma queixa de que era "calada" e nunca me senti prejudicada nas notas, porque era "calada"! E aqueles queridos finórios de nariz empinado diziam à minha mãe que era "calada" e por isso mesmo não tinha interesse na aula. Tem muita lógica este argumento não tem?

A minha mãe ouviu este argumento tanta vez que acabou por dar "uma carga de porrada cerebral" ao meu Director de Turma e ele teve que ouvir e não piar. 

A única coisa que me preocupa nesta situação é a quantidade de pessoal (docente e não docente) que vai ser despedido e não tem culpa nenhuma. Essa seria a única razão que me faria mover para uma manifestação dessas, mas longe de mim ir gritar que ali fui feliz!

4 comentários:

  1. Eu também passei por uma situação bastante semelhante. Posso estar a ser egoísta, mas não me importo nada que o colégio onde andei feche. Felizmente foram só 2 anos, mas não aguentava mais ficar lá e ainda bem que mudei no secundário. Não precisamos lutar por causas que não nos interessam.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu até já estou farta de tanta adoração por aquele colégio.

      Eliminar
  2. Eu estudei num colégio, nessas condições, e felizmente nunca passei por esse tipo de situações. Nunca fui uma aluna muito participativa, também. Os professores puxavam por mim, mas sem pressões. Tive óptimos professores, mas também tive alguns que não eram assim tão bons (felizmente estes foram poucos). Senti um suporte educativo que duvido que exista na maioria das escolas públicas. Por estas razões, e mais algumas, sou contra os cortes que vão fazer aos colégios. Mas acredito que existam colégios menos bons, da mesma forma que existem escolas públicas boas e más.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto, cada caso é um caso. Eu falei do meu colégio especificamente, não é que eu queira que aquilo feche, porque vai trazer muitos problemas aqui para a minha região, mas com muita pena minha, não vou lá gritar a defender aquilo. Isso podem ter a certeza que não vou!

      Eliminar