segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Trick or Treat

Não, não vou fazer um post sobre o Halloween. A razão deste título é pura e simplesmente porque me apeteceu. Hoje, venho aqui só para dizer que cometi uma pequenina loucurazita. Com loucurazita, quero dizer que gastei 15 euros numa agenda, mas não é uma agenda qualquer.

Todas as agendas que vejo, têm todas uma capa super gira, mas depois quando se abrem, parece que perdem a piada toda e depois, tinha a mania que queria uma vista mensal e uma vista semanal. Parecendo que não, habituei-me a ter uma vista mensal para facilmente detectar os dias a passar e funciona. Facilmente se detecta a chegada de um aniversário ou de uma deadline ou de uma coisa qualquer, coisa que só com a vista semanal não se detecta com tanta facilidade. A vista semanal uso-a para descrever compromissos e tarefas mais detalhadamente. 

De todas as agendas que eu já espreitei, na FNAC foi o único sítio onde encontrava uma agenda decente, mas depois olhava para o preço e tinha vontade de chorar. Pelo menos beicinho fazia, porque nunca chegava a chorar... parecia mal, senão desatava mesmo a chorar. 

Certo dia, enquanto o meu namorado via preços de teclados e phones para poder jogar com melhor qualidade, eu espreitava tudo o que era material escolar, porque se eu pudesse comprava cadernos e canetas todos os dias. E lá estavam as belas das agendas, mas estava lá uma que nunca tinha reparado. Esta:


Em primeiro, reparei na fitinha para fechar a agenda. Sim, eu tenho uma panca por cadernos que fecham, seja através de um botãozinho ou de uma fitinha. 

Depois, reparei que era de argolas e eu adoro cadernos de argolas, porque os acho muito mais práticos para escrever. 

Quando abri a agenda, apaixonei-me instantaneamente pelas cores. A seguir reparei que em cada mês existia uma vista mensal e só depois a semanal e fiquei cega de amor. 

Nesta altura, comecei a ficar triste, porque estava mesmo a ver que a agenda custava pelo menos uns 30 euros... qual não é o meu espanto, quando viro a agenda para ver o preço e vejo que é metade daquilo que eu estava a pensar. Eu sei que barata não é, mas é muito mais barata do que aquilo que estava a pensar, por isso é que achei um preço muito convidativo. 

Fui para casa a pensar no assunto e na semana seguinte fui lá comprá-la antes que ela fugisse. É a minha prenda de Natal antecipada para mim mesma e não vejo a hora de começar a usá-la. 

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

A vida é feita de injustiças, mas há que passar por cima e continuar a lutar



Eu não estou a entender o alarido todo à volta desta notícia. Não entrou por 3 décimas, ok, é mesmo muito chato. Eu também ficaria piursa da vida, mas quantos outros milhares de alunos, em medicina e não só, ficaram de fora por uns míseros numerozitos? Quantos não viram os seus sonhos estragados por uns exames que não correram bem? 

A vida é feita de injustiças, mas não é por isso que vamos amuar ali para o canto. Acho muito bem que a rapariga siga o seu sonho, mas se queria mesmo entrar em Portugal, como se costuma dizer, não foi este ano, tenta-se para o ano. 

Tenho uma amiga minha que tem exactamente o mesmo sonho. Conheço-a desde os seus 4 anitos e desde aí que ela diz que quer ser médica. Quando chegou a altura de concorrer, ela não entrou por uma décima, não 3, apenas uma. No entanto, ela voltou a estudar para os exames nacionais e voltou a fazê-los e agora lá está ela a estudar aquilo que sempre quis. Não foi naquele ano, foi no ano a seguir! Tudo bem que adiou um bocadinho os seus planos de estudo, mas era o que ela queria e não foi adiado assim durante tanto tempo.

O sistema é injusto? Talvez.
Dão demasiada importância às notas do secundário? Talvez.
Dão demasiada importância às notas dos exames nacionais? Talvez.
Dão demasiada importância a qualquer nota que se tenha na escola? Talvez.
(Afinal o que é que querem que seja avaliado para concorrer à Universidade? A vontade da pessoa? "Quero mesmo mesmo mesmo mesmo mesmo muito ir para este curso! Ah, então se a vontade é assim tanta tens um 20!")

Bom, isto tudo para dizer que acho muito bem que sigam os seus sonhos, mas se eles não se realizam logo à primeira, há que continuar a lutar por eles. 

P.S.: Eu não estou contra ao que a rapariga fez. Se ela está indignada, que mostre a sua indignação à vontade. Só acho, e espero não ser apedrejada por dizer isto, que a rapariga, com o que diz na carta, só mostra uma menina mimada que ficou amuada por não entrar na Universidade que queria. É o que eu acho! Por favor, não me mandem pedras!

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Pobres e mal agradecidos

Já contei algures por aqui que pertenço a uma actividade cultural aqui da terra. Vamos fazendo uns eventozitos para ir angariando dinheiro para poder continuar com a actividade. Mas quem está de fora pensa que com esses eventos, chove dinheiro para os nosso lados, o que é totalmente mentira. 

Sim, faz-se um bom dinheiro até, mas depois de se pagar a fornecedores, licenças, aluguer do espaço, conjunto ou qualquer outro entretém que vá actuar no evento, água, luz e muitas outras coisas que infelizmente não é nada de borla, o lucro feito são uns meros eurozitos que para continuar com a actividade é pouco ou nada.

Recentemente, uma amiga do pessoal veio pedir ajuda para manter a instituição onde ela trabalha de portas abertas. Isto, precisamente, porque ela pensa que nadamos em dinheiro. Ela veio pedir dinheiro a quem não o tem, infelizmente. Eu se pudesse, daria todo o dinheiro que pudesse, mas não o tenho. 

Mas não fizemos caso disso! Apenas dissemos que dinheiro é mesmo muito apertado, mas demos toda a disponibilidade possível para organizar um Natal solidário, onde faríamos a angariação de alimentos, roupas e as quantidades monetárias que se fizessem através da venda de rifas e de pequenos leilões de bolos e coisas assim. 

Pois a gaja disse à cara podre que não precisa desse tipo de ajuda! E disse com todas as letras possíveis que precisa de DINHEIRO!

'Miga, de dinheiro toda a gente precisa, porque, infelizmente, ele não nasce nas árvores e também não é semeado na terra. Mas negar a ajuda que as pessoas podem dar (que é pouco, mas é de boa vontade) é o mesmo que as estar a mandar à merda.

As vendas de rifas e leilões dariam uns bons 200 ou 300 euros, mas com a boa vontade das pessoas ao saberem que era um trabalho solidário, era capaz de chegar aos 400 ou 500 euros, mas ela decidiu dizer que não a "esse tipo" de ajuda. 

Mas será que ela pensa mesmo que temos mais do que esse dinheiro na conta bancária e pudemos ficar sem ele? Ela quando se dirigiu à gente a pedir dinheiro, pensou mesmo que lhe íamos dar para cima de 1000 euros? É que eu acho mesmo que ela pensava que lhe podíamos dar 1000 euros enquanto o diabo esfrega um olho. Quem dera a gente ter esse dinheiro também!

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Mãe, nunca me abandones


Não sei se é por boas razões ou se é por más razões, mas no meu ponto de vista é por uma razão brilhante que eu hoje sinto-me uma criança. Na verdade, acordei de manhã com os olhos pesados e quando os abri, via tudo fosco e precisei de algumas tentativas de abre e fecha os olhos para conseguir focar bem aquilo que estava a ver. 

Resumindo, estava uma aranha gigante e mutante com esteróides a correrem-lhe no sangue, no meu tecto e eu saí a correr do quarto para ir chamar a minha mãe para a matar. E a minha mãe com a sua arma mais poderosa, a vassoura, veio em meu socorro. Só faltava ir chorar para trás das pernas dela!

domingo, 23 de outubro de 2016

Coisas más de se fazer uma sesta


Adormecer logo depois do almoço e acordar com uma azia do caraças por não fazer a digestão em condições. Depois, ainda por cima, cá em casa existem todos os tipos de medicamentos e pomadas e coisas dessas de farmácia, mas nunca existem coisas boas para a azia. 

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Perguntas


Às vezes, pergunto-me até onde é que as pessoas vão com a estupidez humana? Será que são ataques passageiros ou são mesmo adjectivos que pudemos colocar no currículo das pessoas?

Nome: Emma
Idade: 25 anos
Descrição: Estúpida por natureza

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Curiosidades

Adoro a série How I Met Your Mother e ainda há pouco tempo voltei a revê-la e descobri uns factos interessantes sobre a série que não fazia a mais pequena ideia da sua existência. Mas aqueles a que eu achei mais piada foram aos maridos que entravam de vez em quando na série.

Sandy Rivers era o apresentador da Metro News 1 ao lado de Robin Scherbatsky. Armado em galã, passava o tempo todo a tentar convencê-la a ir para a cama com ele, coisa que ela recusava sempre. 


Na realidade, Sandy Rivers é interpretado pelo actor Alexis Denisof que é nada mais, nada menos do que o marido de Alyson Hannigan, actriz que interpreta Lily Aldrin.


Depois temos Gary Blauman que trabalha para a empresa onde Marshall Erickson foi fazer o seu estágio. Mais tarde, Marshall começa a trabalhar para a GNB onde Blauman também está a trabalhar no Departamento Legal. É daqueles típicos colegas que só está bem a gozar com os outros.


Gary Blauman é interpretado por Taran Killam que na realidade é marido da actriz Cobie Smulders que interpreta Robin Scherbatsky.


Por último, temos Scooter, o namorado de Lily da altura do secundário. Lily acabou a relação com Scooter no baile de finalistas para puder ir para a Universidade (onde conhece Marshall) livre de relacionamentos, mas Scooter nunca a esqueceu e vai aparecendo na série em modo "Stalker" da Lily.


Scooter é interpretado pelo actor David Burtka que na verdade é marido de Neil Patrick Harris, actor que interpreta Barney Stinson.


E estes são os maridos que vão entrando de vez em quando na série.


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Nunca fazem aquilo que dizem

E já se passou a semana e já estamos numa nova e os gajos da entrevista disseram que diziam alguma coisa durante a semana tanto para dizer boas notícias como para más notícias. No entanto, não recebi uma única mensagem, um único mail ou um único telefonema. Deixaram-se ficar no silêncio e a mim na ignorância.

sábado, 15 de outubro de 2016

Conversas de café


Tenho amigas minhas que vão para o café reclamar sobre os namorados. Acho que é normal isso acontecer, porque no café só se está bem a reclamar dos outros. O que não acho normal é a relação não andar bem, fartarem-se de enumerar desfeitos nas relações, dizerem que estão fartas e mais não sei o quê, mas mesmo assim não terem uma conversa verdadeira com os namorados. 

Todas as relações têm defeitos, claro que sim, mas se esses defeitos não forem falados com calma de forma a que se possa arranjar uma solução conjunta, esses defeitos vão sempre perdurar até que um expluda. 

Estou a  falar disto porque tenho, não uma, mas duas amigas que já não andam bem nas suas relações há bastante tempo. Falam de episódios em que os namorados despropositadamente (ou não) as magoaram, mas em vez de falarem com eles sobre o que lhes vai na alma, continuam a acumular episódios desses.

Eu sei que é fácil falar, o pior é fazer, mas eu não conseguia descansar enquanto andasse com o meu coraçãozinho apertado enquanto não dissesse tudo o que tivesse para dizer. E ter uma conversa séria com o namorado, não é sinónimo de discussão. Ninguém precisa de levantar a voz a ninguém. É só arranjar um tempinho, sentarem-se os dois e resolverem as coisas como pessoas grandinhas que são. 

Eu não sei como vocês pensam, mas a mim faz-me bastante confusão as coisas não andarem bem e não arranjarem forma de se porem bem. 

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Lá está ele a espreitar


Ontem, reclamei com o sol por andar desaparecido e ter decidido desaparecer do mapa. Hoje, cá está ele a espreitar. Olá sol! Já tinha saudades tuas. Fazes falta por aqui.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Dias sem sol


Quando uma pessoa está habituada aos dias cheios de sol, quando chegam estes dias em que o sol nem sequer espreita, parece que deixa uma pessoa triste e cansada. Eu pelo menos sinto-me triste e cansada!

Não é que esteja triste com alguma coisa e muito menos cansada, porque nem tenho feito grande coisa, mas mesmo não fazendo grande coisa, parece que chego sempre a casa como se estivesse o dia inteiro a correr dum lado para o outro.

E eu ponho essa culpa no sol que não lhe apetece aparecer. Eu sei que a chuva nos faz falta, como é óbvio, mas pode chover à vontade com o sol a espreitar na mesma. Ninguém o impede! Não é preciso amuar só porque apareceu a chuva.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

O Resgate do Soldado Ryan


Eu sou doida com filmes sobre a Segunda Guerra Mundial e também sou doida com filmes onde esteja o Tom Hanks. No entanto, nunca vi este filme que tem as duas coisas: Segunda Guerra Mundial e Tom Hanks. Provavelmente, ainda não vai ser hoje que o vou ver, mas já está agendado para o ver assim que consiga.

Já alguém o viu? O que acharam?

Deixo aqui o trailer para quem quiser espreitar:

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Ansiedade

Já passou o fim de semana e portanto já começou o tempo em que podem dar alguma resposta sobre a entrevista. Ainda só hoje é Segunda, eu sei, mas uma pessoa começa a estar um bocado ansiosa. Será que ligam, será que não ligam? É que em mais nenhum lado dizem alguma coisa e eu já estou fartinha de estar sem fazer nada.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Já está

E lá fui eu à minha entrevista. Acho que até correu bem, mas como eles são todos meio avariados do cérebro, o que para mim pode ter parecido um mar de rosas, para eles foi a terra transformada em inferno com os vulcões a entrarem todos em erupção ao mesmo tempo. Gostaram da minha comparação de cérebros? Mas pronto, lá vou eu continuar a entregar currículos, porque nunca se tem nada como garantido.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Amanhã, lá vou eu

E amanhã, vou lá então à minha bela entrevista. Vamos lá ver como corre e se fico mesmo lá a trabalhar. Por um lado, obviamente que quero trabalhar, mas por outro... será que não há mais nada? Ai, como eu sofro!

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Paciência


Eu não tenho paciência nenhuma para aquele pessoal que tem mais sorte do que juízo. É que me deixam mesmo os nervos à flor da pele.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

O Carma atingiu-me


Já trabalhei em vários sítios e já fiz as mais variadas funções e de todos esses sítios, eu tenho alguma coisa positiva a dizer, excepto num deles. Houve um certo sítio, onde só trabalhei durante um mês e estava doidinha que o tempo acabasse, porque eu detestei estar ali a trabalhar, não pelo trabalho, mas mesmo pelo pessoal que trabalhava comigo. 

Foi um sítio onde nunca me consegui adaptar ao ambiente. Era tudo muito mesquinho, tudo muito de nariz empinado e eu nunca fui muito com pessoas assim, por isso é que nunca me consegui ambientar ali. No tempo que ali trabalhei, entrei uma estranha e saí uma estranha contente (por sair dali). 

Mas trabalho é trabalho e como uma pessoa anda agora sem trabalho, continuo a mandar currículos para todas as vagas que abram. E portanto, voltei a mandar currículo para o pior sítio onde trabalhei. E depois de mandar uma data de currículos para os mais variados sítios, qual é o único sítio onde tenho uma entrevista? No pior sítio onde eu alguma vez trabalhei. 

Pode ser que desta vez seja diferente. Se não for, olha, tenho que me aguentar à brava!

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

A minha bela cabeça

Eu ando tão bem ou tão mal, que fui ver o primeiro episódio de uma nova temporada de uma série e não estava a entender nadinha do que se estava a passar, quando fui pôr o segundo episódio, reparei que afinal tinha acabado de ver o segundo episódio e não o primeiro. Por isso é que não estava a perceber nadinha. 

Agora, vocês perguntam "Como é que não reparaste que não era o primeiro episódio?"... pois, é um mistério que nunca se saberá a resposta.