quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Férias precisam-se, please!

Não, desta vez não me estou a queixar do trabalho. Desta vez estou-me mesmo a queixar da quantidade de falsidade que existe à minha volta. Estou mesmo a precisar tirar férias das pessoas, mandar tudo à merda e desaparecer por uns tempos. Obviamente que levava o meu namorado comigo, mas de resto, eu espetava mesmo tudo num poço. Epá, fartinha desta merda toda!

Ainda me dizem que tenho que ser mais aberta com as pessoas. Foda-se, juízo tenho eu em não dar confiança a ninguém. Eu sou uma pessoa desconfiada por natureza, se calhar até demais, mas mantenho-me sempre dentro dos limites, ou seja, não faço que essa desconfiança chegue ao ponto de ser ridícula, mas depois as merdas acontecem e eu penso para mim "Vês como tinhas razão?". 

Podem tentar fechar-me os olhos à vontade e se essa é a vossa intenção, eu vou dizer que sim senhor, tenho os olhos fechados, mas vou ficar sempre a espreitar. Sou novinha, mas a vida já me ensinou muita coisa e se calhar é por causa disso que sou como sou. E sabendo como sou, sei que vou mandar duas ou três caralhadas para o ar, vou dizer o que tenho a dizer às pessoas certas, porque não gosto de ficar com coisas encravadas na garganta e depois posso ir à minha vida à vontade.

Até lá, vou andar com uma dor de garganta do caralho, mas não faz mal, porque disfarça-se bem com uma constipação à mistura. O que eu não gosto nesta situação é que até ir falar com as pessoas certas, vai haver muito momento errado para falar, portanto eu vou esperar pelo momento certo, o que vai fazer com que eu seja cínica nos momentos errados. Coisa que eu detesto! Vou ter que morder a língua até não aguentar mais, só tenho medo de explodir num momento em que não deva.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Ponto situação do meu belo local de trabalho

Estão a ver aquele sítio que detestei trabalhar e que agora voltei para lá outra vez? Como é que é suposto gostar daquilo? Eu não consigo! Um simples exemplo e acreditem que é mesmo dos mais simples, porque há muita coisa errada naquela loja, é estar hoje a trabalhar com mais 4 raparigas numa secção, volto a repetir, 4 raparigas, ou seja, éramos 5 raparigas naquela secção, arrumar até mais não e quando dou por mim, reparei que por muito que arrumasse, continuava tudo desarrumado. Pois, enquanto eu estava ali a dar o litro para ficar tudo arrumadinho, as minhas queridas colegas estavam as 4 num canto a conversar quase à gargalhada.

Epá, como é que é possível eu ter sequer algum tipo de respeito por aquele sítio? Ir ter com elas "socializar"? Eu pensei que estivesse no meu local de trabalho! Não consigo! Por muito que tente, aquele continua a ser o pior sítio onde trabalhei e não é por causa do trabalho, é por causa das pessoas parvas que aparecem a trabalhar comigo.

Acontece-me qualquer coisa insólita todos os dias. Todos os dias, eu tenho vontade de dar porrada em alguém e o pior é que é sempre com pessoas diferentes. Uma colega minha que entrou ao mesmo tempo que eu, diz e é verdade "O que eu vejo nesta loja, é que toda a gente manda e ninguém trabalha!" Não podia estar mais de acordo!

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Complicações que se passam à minha volta

Vou tentar explicar uma história que se passa aqui à minha volta, onde eu não tenho nada a ver com o assunto, mas tenho seguido a história de fora, com um olho lá dentro. E mesmo que não entendam nada, gostava de saber a vossa opinião mais sincera.

Ora, vamos cá ver se eu me consigo explicar de forma simples. Só quero dizer que isto não se tratam de relacionamentos amorosos, são só mesmo amizades (ou uma espécie disso).

Temos a pessoa Z. A pessoa Z ficou magoada com a pessoa A. A sua justificação é que não gostou da atitude da pessoa A

A pessoa Z, em vez de ir falar directamente com a pessoa A sobre o que a magoou, desabafou com a pessoa B. 

A pessoa B foi falar sobre esse desabafo à pessoa A e à pessoa C.

No meio disto tudo, temos uma pessoa D que foi contar às pessoas A,B e C, que a pessoa Z fez uma coisa, que na realidade não é verdade.

Instantaneamente, as pessoas A,B e C afastaram-se da pessoa Z

A pessoa Z começou-se a aperceber que as pessoas A, B e C cochichavam muito quando estavam ao pé dela.

Ao passar do tempo, a pessoa A começou a deixar essa chatice de lado e continuou a dar-se bem com a pessoa Z como sempre se deu. Enquanto que as pessoas B e C continuavam a virar a cara à pessoa Z

Notem que a chatice começou com as pessoas Z e A, no entanto, eram as pessoas B e C que continuavam a virar a cara à pessoa Z.

A pessoa Z chegou a um ponto que não aguentou mais e mandou mensagem para as pessoas A, B e C a perguntar se havia alguma coisa de errado.

A pessoa A (lembrem-se que foi com quem houve a chatice) mostrou-se defensiva, não negou que havia alguma coisa de errado, mas mostrou-se aberta à opção de falar sobre o assunto pessoalmente e resolver a situação.

As pessoas B e C mostraram-se completamente atacantes e acusaram a pessoa Z de falar mal nas costas dos seus amigos. Tirando a parte da pessoa Z ter desabafado sobre os seus sentimentos a uma pessoa "amiga", a pessoa Z não faz a mais pequena ideia sobre o que pode ter "falado mal" nas costas dos amigos. 

Eu tenho seguido esta história de perto e eu sei que estou aqui a dar o "papel principal" à pessoa Z, mas eu acho que há aqui um ponto crucial que ninguém se lembra: A pessoa D. A pessoa D é uma amiga minha sobre a qual eu já falei por aqui e aqui

A pessoa D disse às pessoas A, B e C que a pessoa Z fez algo quando na verdade não o fez. Agora porquê? Porque pensou que realmente a pessoa Z o tinha feito, mas a pensar morreu um burro e por isso mesmo acho que o problema está na pessoa D e não no resto. 

Porque a pessoa Z chega a entender as razões da pessoa A, mas não consegue entender as pessoas B e C, o que me leva a querer que a pessoa D não se ficou por ali na história que contou.

E agora estou à espera dos novos episódios.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Passagem de ano #2


Eu sou daquelas pessoas que gosta de uma bela duma festa em grande, em casa com os amigos. Este ano eles estão a ponderar ir sair, mas eu estou mesmo a ver que não me vai apetecer, ou seja, estou mesmo a ver que vou ser desmancha prazeres, mas não me vou obrigar a sair de casa para ir com eles sair à noite.

Ainda não sei bem como são os planos, mas vou jantar com eles uma bela duma jantarada e beber uns canecos, no momento de sair de casa, se me apetecer sair de casa, vou, senão fico por casa com o meu namorado que também não fico nada mal. 😊

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Passagem de ano


Vocês preferem um programa com saídas à noite e festas em grande ou preferem uma festa em grande caseirinha com os amigos?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Sarcasm Alert!!!


Vocês lembram-se de eu ter tido uma entrevista no pior sítio onde já trabalhei? Pois bem, no outro dia recebi um mail deles com uma proposta de trabalho. Fui toda contente ver o mail, porque estou fartinha de estar em casa a enviar currículos sem resposta e descobri que me queriam contratar por umas valentes 3 semanas.

UAU!!! 3 semanas? OH MEU DEUS!!! É a melhor oferta de trabalho que alguma vez me fizeram. Como é que posso recusar uma oferta dessas? Pois é, não posso recusar, porque tenho a conta a zero (quase) e por muito que me custe eles estarem a gozar com a minha cara, eu quero é trazer dinheiro para casa, nem que sejam uns troquitos miseráveis. Sim, porque nem um mês completo vou receber.

Oh, Santa Paciência, dai-me forças para não dar cabo deles todos!!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Problemas que eu tenho


Sou só eu que estou a demorar (demais) a adaptar-me ao novo Blogger? É que estou mesmo a ter dificuldade em sentir-me "em casa". Nem sei bem porquê, mas não me estou a conseguir adaptar a isto. Sei lá, é estranho, não é tão intuitivo.